High School Football – Os melhores prospects da classe de 2017

Browse By

Todo ano milhares de jogadores por todo o território dos Estados Unidos se formam no high school – o equivalente ao ensino médio aqui no Brasil – e vão para a universidade. Alguns deles se destacam durante seus dias no colegial jogando futebol americano e ganham uma bolsa para continuar jogando o esporte por alguma equipe universitária, assim como estudar naquela instituição de ensino superior.

O recrutamento de jogadores para o college football é algo imenso e aproximadamente 4.500 jogadores vão jogar futebol americano em alguma universidade da Primeira Divisão da NCAA. O negócio é tão grande que a ESPN cobre anualmente o National Signing Day, o primeiro dia em que os jovens tem para assinar sua National Letter of Intent, uma carta que firma o compromisso entre universidade e atleta. Não iremos nos estender muito no NSD pois esse não é o objetivo desse texto – já publicamos um falando especificamente sobre isso, que você pode ler clicando no link. Apenas para ficar registrado, o National Signing Day acontece anualmente na primeira quarta-feira de fevereiro e geralmente vários prospects anunciam para qual universidade irão jogar nesse dia.

Existem diversos rankings que tentam mostrar qual é o melhor do país no high school, geralmente usando de uma a cinco estrelas para classificar os jogadores – sendo os cinco estrelas grandes fenômenos que com certeza irão fazer a diferença para seus times. Só para se ter uma ideia, de todos os jogadores avaliados para a classe de 2017, mais de 300.000, apenas 32 foram classificados como cinco estrelas segundo o ranking da 247Sports. Acontece que neste ano não temos um número 1 unânime eleito pelos grandes sites especializados, mas mesmo assim irei ranquear os 10 melhores jogadores de high school football do país com base na minha opinião.

10. Hunter Johnson, QB, Clemson

Hunter Johnson é o tal do jogador resiliente. Jogando em Brownwsburg, Indiana, ele foi titular em seus quatro anos de high school, sob quatro coordenadores ofensivos diferentes. Apesar de todas as dificuldades, Johnson liderou seu time para o primeiro título estadual da escola em seu ano de senior. Hunter teve a oportunidade de ir jogar na IMG Academy, uma das melhores escolas para os atletas do país, mas decidiu ficar em sua cidade natal.

Hunter Johnson foi um dos quarterbacks do último Elite 11, uma espécie de reality show/competição para quarterbacks em seu último ano do ensino médio. Johnson é capaz de fazer todos os tipos de passes, além de usar bem as pernas – ele inclusive fez parte da equipe de atletismo de sua escola. Ele executa de uma ótima maneira os passes de pequena e média distância e sem dúvidas irá tirar proveito do sistema spread offense de Dabo Swinney. Johnson tem capacidade de substituir Deshaun Watson já em seu primeiro ano em Clemson, caso Swinney o escolha como novo titular.

09. Jeffrey Okudah, DB, Ohio State

Jeffrey Okudah é aquele famoso jogador coringa. O defensive back pode jogar em qualquer uma das posições na secundária e é extremamente prolífico em todas elas. O jogador já declarou que se espelha em Jalen Ramsey, ex-Florida State, mas acabou escolhendo Ohio State acima de Florida State e Oklahoma. Okudah vem do estado do Texas, onde o futebol americano é uma religião de longe o esporte mais amado pela população e ajudou seu time a chegar aos Playoffs na temporada de 2016.

Ele é extremamente atlético e um dos jogadores mais rápidos de toda a classe de 2017, conseguindo ir de sideline a sideline de forma muito rápida. Dito isso, é importante frisar que ele também é um jogador muito forte e que dá suporte no jogo corrido. Okudah também consegue cobrir todas as partes do campo, jogando como safety, cornerback ou nickelback. Com certeza uma grande conquista para Ohio State que conseguiu convencer Jeffrey muito por conta de ter um certo prestígio acadêmico que nem Oklahoma e menos ainda nem Florida State têm.

08. Marvin Wilson, DT, Indefinido

Marvin Wilson é o único jogador da nossa lista que ainda não decidiu onde irá jogar no próximo passo de sua carreira. O jogador deve fazer o anúncio no dia 01/02, o National Signing Day. Jogador de Episcopal HS, em Houston, Wilson recentemente declarou que LSU e Florida State são suas escolas favoritas, com Ohio State um pouco atrás. Ele recentemente fez uma visita oficial à Baton Rouge, algo que pode indicar que ele está mais inclinado a jogar por LSU.

Monstro que corre atrás de quarterbacks e running backs, Wilson com certeza não é o defensive tackle mais rápido que você irá ver jogar, mas ele é extremamente técnico e com certeza sua estatura o ajuda a compensar a falta de rapidez: 1,96 m e 142 kg – ele é muito forte e, considerando seu tamanho, até que consegue ser um pouco ágil. Sem dúvidas ele fará seu técnico muito feliz, seja onde for que ele vá jogar. Wilson deve ser titular ou ao menos ter um bom tempo de jogo já em seu primeiro ano na universidade. E um extra: ele treinou durante seus anos de high school contra um dos melhores offensive tackles do país. Logo você vai saber quem é…

07. Tate Martell, QB, Ohio State

Tate Martell sempre foi estrela. O quarterback dual-threat teve sua primeira bolsa de estudos oferecida quando ele ainda nem estava no colegial, e sim no ensino fundamental (na equivalente à oitava série aqui do Brasil): Washington Huskies foi a equipe responsável por tal feito. Algum tempo depois, Tate quebrou seu acordo com os Huskies (algo normal de se acontecer nos recrutamentos, uma vez que apenas acordos verbais são feitos antes do NSD) e ficou combinado que ele jogaria por Texas A&M. Acontece que após o colapso na comissão técnica dos Aggies, Martell novamente se tornou disponível e Urban Meyer o recrutou para ser quarteback de Ohio State.

Em 2016 Martell foi escolhido o Gatorade National Player of the Year, maior prêmio do futebol americano de high school. Em sua temporada de senior, o garoto teve a incrível marca de 41 passes para touchdown e 21 touchdowns corridos e apenas uma interceptação. Martell é aquele raro caso de jogador que consegue lançar muito bem, assim como correr muito bem com a bola – ele realmente faz ambos com extrema habilidade. Tate se tornou titular em seu time já no segundo ano e, desde então, foram 43 vitórias e nenhuma derrota. Talvez o único asterisco do jogador seja sua estatura, uma vez que com 1,80 m ele é um dos jogadores mais baixos de sua posição.

No fim das contas, Tate representa um marco em Ohio State, que desde a chegada de Urban Meyer procura por um quarterback estrela. Martell com certeza é esse jogador e pode ser o responsável por levar o jogo aéreo dos Buckeyes para um próximo nível. Todo esse hype que cerca o jogador me faz lembrar outra estrela que jogou sob o comando de Urban Meyer e que você sem dúvidas já deve ter ouvido falar: Tim Tebow.

06. Trey Smith, OT, Tennessee

Trey Smith é aquele clássico exemplo de superação. Smith perdeu sua mãe no ano de 2015 quando seu processo de recrutamento já havia começado. Tennessee e Ole Miss foram as primeiras escolas a lhe oferecerem bolsas de estudos. Apesar de tudo isso, Smith só decidiu onde iria jogar em dezembro de 2016. Alabama, Ohio State, Notre Dame, Tennessee e Clemson estavam na lista do jogador, mas ele acabou escolhendo jogar em seu estado natal e usará o laranja dos Vols durante os próximos anos.

Smith é um offensive tackle muito ágil e forte. O garoto, mesmo aos 17 anos, tem 135 kg e 1,98 m, tamanho de um jogador profissional. Ele jogou a maior parte de sua carreira como left tackle, mas deve conseguir fazer bem a transição para right tackle ou left guard caso o técnico Butch Jones necessite de um bom jogador de linha ofensiva. Sendo diversos reports, Smith é aquele jogador que trabalha muito e tem um imenso talento, sendo um cara humilde, tudo o que qualquer técnico quer dentro de seu vestiário. Falando um pouco dos rankings, ele é considerado o melhor jogador do país segundo o ESPN 300 – mas como disse no começo do texto, não há unanimidade nos rankings e este aqui é independente de qualquer um que tenha sido feito por sites gringos.

05. Dylan Moses, LB, Alabama

Dylan Moses é um astro desde o ensino fundamental – o garoto teve bolsas de estudos oferecidas por LSU e Alabama quando ainda estava na oitava série! Ele estudava em uma escola em Baton Rouge, praticamente dentro do campus da universidade de Louisiana State e, por conta disso, ele esteve fechado com LSU durante boa parte de sua carreira no ensino médio. Apesar disso, a demissão de Les Miles parece ter abalado o prospect e ele reabriu seu recrutamento. Em seu último ano de high school ele decidiu se mudar para Bradenton para jogar pela gigante IMG Academy. Lá, longe de toda a pressão para jogar por LSU, Moses decidiu que Alabama seria o melhor lugar para continuar seu desenvolvimento.

Com 1,89 m e 102 kg, Moses tem o físico de um jogador profissional. O garoto consegue ser muito rápido sideline-to-sideline e tem potencial para ser lapidado por Nick Saban, que sabe desenvolver talentos como ninguém. Moses atua principalmente tentando conter o jogo corrido e fazendo pressão no quarterback – ou seja, é um linebacker perfeito para o sistema 3-4. Apesar disso, ele consegue atuar na cobertura por conta de sua altura e rapidez. Dylan é sem dúvidas uma das maiores adições de Nick Saban ao seu elenco no atual ciclo de recrutamento.

04. Cam Akers, RB, Florida State

Cam Akers muito provavelmente será o sucessor de Dalvin Cook. Ele tem uma rara combinação de força e rapidez que o faz conseguir correr entre os tackles como um running back de força, quebrando vários tackles, assim como ele também pode ser aquele running back que corre por fora dos tackles, usando sua rapidez. Akers foi recrutado por diversas universidades mas acabou escolhendo uma universidade de fora do estado de Mississippi, seu estado natal. Muitos dizem que a contratação de um coordenador ofensivo com mentalidade Air Raid por parte de Ole Miss (Phil Longo) esfriou o interesse do running back pelos Rebels.

Muitos rankings colocam Akers como o melhor running back do país. Apesar de sua excelência, eu não o considero o melhor – de qualquer forma, Jimbo Fisher ganhou um jogador coringa, uma vez que, apesar de ter sido recrutado como running back, atuou como quarterback de sua equipe no high school. Isso permite que os Seminoles abram seu playbook, visto que Cam tem uma boa habilidade passando a bola também. Como já foi dito acima, Akers é tem a combinação perfeita de força e rapidez e é com certeza um dos melhores prospects do país, melhor até que Dalvin Cook era na sua época.

03. Walker Little, OT, Stanford

Muito se sabe do talento de IMG Academy em revelar talentos. No entanto, a escola estrela de nosso ranking é Episcopal HS, com dois dos melhores jogadores do país. Walker Little é considerado o melhor jogador do país pelo 247Sports. O garoto foi recrutado pela maioria dos grande programas do país e ficou entre Stanford, Texas, Ole Miss e Florida State. Little deu bastante peso para o quesito acadêmico e provavelmente isso que o deixou inclinado a ir para Palo Alto.

O melhor offensive tackle de nossa lista com certeza seria uma monstro. O jogador tem 138 kg e 2,20 m. Tecnicamente falando, é difícil achar um jogador mais preparado para ser titular do que Little: ele tem um grande footwork, tem muita força e é bem alto, algo que ajuda muito quando se é um jogador de linha ofensiva. Little deve jogar com left tackle, protegendo o lado cego de maioria dos quarterbacks. Apesar do grande prospect que é, Stanford e Texas, duas de suas escolas favoritas, fizeram questão de deixar claro para o jogador que ele não seria titular imediatamente. Parece que isso não o incomodou.

02. Jaelan Phillips, DE/LB, UCLA

A história de Jaelan Phillps é no mínimo engraçada. Apenas 16 meses atrás ele era o prospect número 375. Tudo mudou quando Washington descobriu o garoto de Redlands, California. Desde então milhares de escolas passaram a observar Phillips e ele recebeu ofertas das maiores universidades do país. Agora ele é o número um do 247Sports Composite, o ranking que faz uma média dos quatro maiores rankings de recrutamento dos EUA. Jaelan escolheu jogar por UCLA, apesar de ter considerado fortemente Stanford e um pouco menos USC e Washington. O jogador tem um gigante histórico de familiares que estudaram em UCLA e ele decidiu jogar em Los Angeles ao invés de Palo Alto.

Phillips é sem sombra de dúvidas um dos melhores jogadores do país e poderia tranquilamente estar na primeira posição. Ele é um jogador híbrido, tento como principais posições defensive end no sistema 4-3 e outside linebacker no sistema 3-4. Apesar disso, ele já jogou snaps como safety e até ele também retornou chutes e bloqueou field goal para sua equipe. Assim como Cam Akers, Phillips tem a boa combinação de força e velocidade, algo raro de se encontrar. Posso dizer que Jaelan Phillips tem um dos melhores tapes de um jogador de high school que eu já assisti.

01. Najee Harris, RB, Alabama

Sempre sendo uma estrela e estando na parte alta dos rankings de recrutamento, Najee Harris é o número um de nossa lista. O garoto decidiu que jogaria por Alabama antes mesmo de sua temporada de junior no high school. Apesar disso, ele fez visitas à UCLA, Michigan e California em 2016. Jim Harbaugh fez um grande esforço para ter o jogador e ele chegou a dizer que estava com Alabama, mas considerando Michigan e Cal – mas no fim das contas, Harris confirmou que deixaria o estado da California para ir jogar em Tuscaloosa.

Estamos falando de um jogador excepcional. Mesmo sendo relativamente alto para um running back (1,90 m), ele é muito rápido e também gosta de um pouco de contato. É um running back completo e lembra muito Derrick Henry, ex-jogador Alabama, vencedor do Heisman e que tem quase a mesma estatura de Harris – Harris pesa menos que Henry, no entanto, mas deve ganhar mais massa magra quando for para Tuscaloosa e irá se aproximar do físico de Henry. O diferencial aqui está na grande habilidade de Najee Harris em receber a bola: ele é extremamente bom como recebedor e não realiza drops, uma característica que nem mesmo Henry tinha. Harris consegue ser uma dupla ameaça, algo que o novo coordenador ofensivo do programa, Steve Sarkisian, certamente saberá utilizar.

Se eu pudesse entrar no modo EMPOLGOU e apostar em alguém dessa lista para vencer o Heisman no futuro, certamente seria Harris – na verdade, eu irei ficar extremamente surpreso caso ele não vença o maior prêmio do college football algum dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também