Chegou atrasado para o college basketball? Não tem problema, a gente te atualiza

Browse By

Não tem mais desculpa. O college football acabou e já sabemos quem jogará o Super Bowl, portanto podemos voltar as nossas atenções esportivas para o college basketball. O mesmo final emocionante de temporada que tivemos no futebol americano provavelmente teremos também no March Madness, que está logo aí!

Confira algumas razões para acreditar nisso e fique por dentro de tudo que aconteceu no basquete universitário enquanto você assistia só futebol americano.

A Ascensão da Big East

Na temporada passada, Villanova levou o troféu em um jogo eletrizante contra North Carolina, onde só soubemos o vencedor no estouro do cronômetro. Pois bem, Villanova continua hoje sendo a melhor equipe do college. Alguns jogadores concluíram seus estudos e não estão mais no plantel à disposição do técnico Jay Wright, porém Josh Hart está tendo uma das melhores temporadas na Universidade e carregando os Wildcats.

Mas nem só de Villanova vive a Big East, não é mesmo? Algo que frisamos já de cara é que nenhum time dos dez times da conferência trocou de técnico, o que é um ótimo sinal.

As melhores equipes até o momento

Passados dois meses da temporada, os destaques do college basketball até aqui são:

  • Villanova (19-1, 7-1 na Big East)
  • Gonzaga (19-0, 7-0 na WCC)
  • Baylor (18-1, 6-1 na Big XII)
  • Kentucky (17-2, 7-0 na SEC)
  • UCLA (19-2, 6-2 na Pac-12)
  • Duke (15-4, 3-3 na ACC)**

Xavier voava baixo no inicio da temporada, mas sofreu algumas derrotas no meio do caminho que prejudicaram a equipe que poderia fazer frente a Villanova. Outra equipe da Big East que para a qual poderíamos chamar a atenção é Creighton, que perdeu o seu melhor jogador e o maior assistente da NCAA, Maurice Watson Jr., que rompeu o ligamento anterior do joelho direito e está fora da temporada. Apesar de todos os acontecimentos, a Big East renasce e quem sabe pode ter o bicampeão da NCAA.

A Queda da Big Ten

Wisconsin continua como a melhor equipe da conferência e vem sendo subestimada a cada semana que passa pela AP em seu Top 25: conseguiu vitórias importantes durante a temporada e está só em #15!

Purdue vem logo atrás com um jogador de grande destaque e uma máquina de fazer duplo-duplos, Caleb Swanigan, que deve estar no próximo Draft da NBA. Não podemos deixar de citar Minnesota que vem fazendo uma campanha belíssima e surpreendente, com diversos jogadores contribuindo e tendo chances reais de chegar ao March Madness.

Um calouro de Michigan State, Miles Bridges, que todos esperavam que fosse dar certo, acabou não mostrando tudo o que pode – e como agora é o momento em que equipes que querem ir para o March Madness precisam ganhar, isso pode dificultar a vida de Tom Izzo e companhia.

Mas a grande decepção até o momento desta conferência fica pela fraca campanha que Indiana vem fazendo (record 14-6, 4-3 dentro da B1G) e, como se isso já não fosse ruim o suficiente, o time ainda perdeu um dos seus maiores destaques, OG Anunoby, que está fora da temporada devido a uma lesão.

Precisamos falar de Duke**

Ninguém vai descartar uma das universidades mais tradicionais no basquete porque simplesmente perdeu um jogo ou outro. A questão aqui é que Duke está sem o seu maior comandante na beirada da quadra, o técnico Mike Krzyzewski (Coach K para os íntimos), que passou por uma cirurgia nas costas e está se recuperando longe da equipe. Dos quatro jogos que a equipe fez sem o técnico venceu apenas duas e perdeu outras duas.

Surpresas e decepções

O jogador mais decepcionante até então tem sido justamente Allen (veja à direita), que não mostra nem um pouco da maturidade que já deveria ter a essa altura da sua carreira. Podemos citar também Tyler Lydon (Syracuse), cujo rendimento não tem sido o esperado.

Dentre as equipes, as principais decepções têm sido Syracuse, Texas, Connecticut e Michigan State (mesmo que por conta de lesões).

Mudando de espectro, as equipes que mais têm nos surpreendido positivamente na temporada são Creighton, Minnesota e Baylor (das quais já falamos ou ainda falaremos com mais destaque neste texto).

Nesse meio tempo, Grayson Allen foi suspenso por chutar novamente um adversário – o que já havia acontecido duas vezes na temporada passada. Era o time que estava em primeiro na pré-temporada, possuía um elenco excelente com o próprio Allen, Luke Kennard, Amile Jefferson e Matt Jones além de adicionarem os prospectos #1 e #2 desta classe, Harry Giles e Jayson Tatum. Marques Bolden e Frank Jackson também eram prospectos Top 100 da ESPN.

O time de Duke estava recheado de talento e logo no preparo, Giles e Tatum sofrem lesões e desfalcam o time no começo. Giles voltou faz poucos jogos e ainda não mostrou todo seu potencial. Kennard, que era apenas um jogador que vinha do banco na temporada passada para descansar Brandon Ingram, virou o armador titular do time e está com ótimas médias e minutos, sendo hoje o nome mais importante desta equipe. Com isso podemos dizer que, caso se mantenha saudável, Duke será um time difícil de parar em março.

Os jogadores que têm chamado a atenção

Aqui, temos que dividir em duas categorias: os calouros (one-and-done que certamente irão para o Draft da NBA) e os não-calouros, alguns que irão para a liga profissional e outros que devem cumprir todos seus anos de elegibilidade no college.

Dentre os calouros, podemos citar: Malik Monk (Kentucky), Lonzo Ball (UCLA), De’Aaron Fox (Kentucky), Markelle Fultz (Washington), Josh Jackson (Kansas), TJ Leaf (UCLA), Miles Bridges (Michigan State) e Jayson Tatum (Duke).

Dentre os mais experientes, os destaques são:

  • Josh Hart (Villanova): já falamos dele acima;
  • Alec Peters (Valparaiso): segundo maior cestinha da Primeira Divisão;
  • Marcus Keene (Central Michigan): lidera a NCAA em pontos por jogo (29,3) mesmo sendo relativamente baixo (5’9″ ou 1,75 m);
  • Caleb Swanigan (Purdue): médias de 18 pontos e 12 rebotes por jogo e líder da Primeira Divisão em rebotes;
  • Maurice Watson Jr. (Creighton): líder em assistências, com 9,0 por jogo em média.

Melhor jogo da temporada até o momento

Por não ser uma das seis conferências mais fortes do basquete, a Mountain West não tem seus jogos tão divulgados assim – o que é uma pena, já que é uma liga cheia de tradição e bastante competitiva. O jogo Nevada @ New Mexico foi com certeza o melhor momento da temporada até aqui e você não vai se arrepender de ver os minutos finais:

E na Big XII, dá Kansas de novo ou alguém diferente desta vez?

Todo começo de pré-temporada é muito fácil colocar Kansas como favorita dentro da sua conferência, afinal, são doze títulos seguidos. O time realmente é bom, possui jogadores veteranos como Frank Mason III e Devonte’ Graham que carregam a equipe no ataque e também, como sempre, tem um calouro de destaque que é cotado por alguns mocks como o número um do próximo Draft, Josh Jackson, que vem tendo uma temporada OK, com médias de 15,1 pontos e 6,8 rebotes por jogo. É um time que pode perfeitamente chegar ao Final Four e, quem sabe, levar o título nacional.

O problema? Baylor vem comendo a bola nesta temporada e venceu equipes como Louisville, Oregon, Xavier, Iowa State e Michigan State, quando todos estes adversários estavam ranqueados. os Bears chegaram a ser a equipe #1 do país, porém perderam um jogo e não estão mais no topo do ranking.

Ou seja, teremos uma boa briga pelo título da conferência. O que nos resta saber é como Kansas se sairá de um sequencia incrível de jogos difíceis que estão por ocorrer: vs. West Virginia, @ Kentucky e vs. Baylor. Provavelmente os Jayhawks vão levar o título, mas West Virginia e Baylor colocaram um suspense bacana pelo menos pra nos fazer querer acompanhar a competição.

A invencibilidade de Gonzaga

Estando dentre os azarões mais tradicionais – e favoritos – do basquete, os Bulldogs são o último dos 351 times da Primeira Divisão da NCAA que ainda não perdeu nenhuma partida nesta temporada. Obtiveram vitórias impressionantes contra San Diego State, Florida, Iowa State, Arizona, Washington, Tennessee e um massacre contra a sua rival de conferência Saint Mary’s que também está ranqueada entre as 25 melhores equipes da competição.

Ainda precisam fazer jogos fora de casa que possuem riscos de derrota, incluindo Saint Mary’s e BYU. Um jogador que veio transferido de Washington, o armador da equipe, Nigel Williams-Goss e o pivô polonês Przemek Karnowski vêm carregando a equipe tanto no ataque como na defesa.

Uma aposta minha é que eles poderiam chegar pela primeira vez ao Final Four, desbancando outras grandes equipes pelo meio do caminho.

Conclusão definitiva: Teremos um March Madness equilibrado e cheio de surpresas!

Em um piscar de olhos já estamos na metade da temporada do college basketball e ansiosos pela chegada do March Madness. Cinco equipes diferentes já estiveram no topo do Top 25 da AP – são elas Duke, Kansas, Kentucky, Villanova e Baylor.

Já discutimos os problemas com os quais Duke vem lidando e sabemos como eles podem resolver isso em apenas um jogo. O nível de competitividade foi elevado, times que estão brigando pela ponta terão que se provar dignos de seeds altas inclusive dentro dos torneios de suas conferências. Nem citamos UCLA ainda, que possui uma rotação incrível e com um dos melhores jogadores do college até o momento, Lonzo Ball, que vem sendo um X-factor para o sucesso do time de Los Angeles. Não conseguimos cravar os times que estarão no primeiro final de semana de abril brigando por uma vaga na final do March Madness, já que o nível da competição está realmente alto e tudo pode acontecer – tudo mesmo: UCLA venceu Kentucky fora de casa já e perdeu para Arizona em casa no seu último jogo!

Essa segunda metade da temporada vai ser de tirar o folego e você não pode perder nenhum jogo. Fique ligado e acompanhe conosco!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também