As melhores finais da história do basquete universitário

Browse By

Sim, infelizmente (e felizmente também) a temporada do basquete universitário está muito próxima do fim. Neste sábado (02) conhecemos os times que disputarão a grande final do March Madness: Villanova e North Carolina medirão forças em Houston e a expectativa, como sempre, é de um grande jogo, resumindo bem como a temporada se desenrolou novamente.

Por isso, decidimos preparar uma lista com as melhores finais da história do college basketball nos moldes da que fizemos com os melhores jogos de Final Four. Começamos pelas menções honrosas (em ordem cronológica):

  • 1986: Louisville Cardinals 72, Duke Blue Devils 69
  • 1989: Michigan Wolverines 80, Seton Hall Pirates 79 (OT)
  • 1999: Connecticut Huskies 77, Duke Blue Devils 74
  • 2003: Syracuse Orange 81, Kansas Jayhawks 78
  • 2010: Duke Blue Devils 61, Butler Bulldogs 59

10. 1997: Arizona Wildcats 84, Kentucky Wildcats 79 (OT)

Na temporada 1996-97, os fãs do esporte puderam acompanhar uma grande partida na grande final, que chega a ser considerada uma das melhores de todos os tempos. Wildcats contra Wildcats: de um lado, Arizona, que havia chegado ao Final Four após eliminar Kansas – uma das seeds #1 do Torneio; do outro Kentucky, que teve 35 vitórias ao longo da temporada e massacrara todos seus adversários durante o March Madness.

Em quadra, como dito, uma partida emocionante, que tinha Arizona vencendo por 72-68 com um minuto para o fim. Contudo, Kentucky, liderada pelas bolas de três de Ron Mercer (13 pontos, nove rebotes e seis assistências na partida) e Anthony Epps (11 pontos, cinco rebotes e quatro assistências), foi buscar o empate, levando o duelo para a prorrogação: 74-74. No overtime, as boas atuações de Miles Simon (30 pontos, três rebotes e uma assistência) e Mike Bibby (19 pontos, nove rebotes e quatro assistências) sustentaram Arizona e deram à universidade o primeiro e único título de sua história até hoje.

09. 1966: Texas Western Miners 72, Kentucky Wildcats 65

Há 50 anos, mais especificamente no dia 19 de março de 1966, aconteceu uma das maiores e mais marcantes partidas de basquete de todos os tempos. Foi realmente um jogo incrível, que vai além das quatro linhas e abrange fatores históricos e até mesmo culturais – existe um filme (em inglês, Glory Road) que conta brilhantemente a história desse confronto e tudo que estava ao seu redor. Vale a pena assistir!

texaswesternNas previsões para a temporada de 1966, especialistas pouco acreditavam em Texas Western[note]Atualmente, a universidade se chama Texas-El Paso, ou UTEP.[/note] (mesmo os que conheciam o time, pois, acredite, muitos nunca haviam assistido a um jogo da universidade até aquela noite), chegando a dizer que a equipe dificilmente teria uma temporada decente. Todavia, o time que contava com todo seu quinteto titular composto por jogadores negros – a primeira da história a fazer isso em uma final – mostrou que os palpiteiros estavam errados, muito errados: o time não só terminou a temporada regular com apenas uma derrota (para Seattle), como foi campeão, desbancando a tradicionalíssima Kentucky, formada apenas por jogadores brancos.

Para entrar no verdadeiro contexto da partida em questão, é preciso lembrar como estava a vida nos Estados Unidos naquele período: era um caos. A guerra do Vietnã matava soldados americanos, vários protestos ocorriam nas ruas e Martin Luther King Jr. liderava as mudanças de ideologia quanto aos direitos civis. O mundo, então, estava começando a mudar, e, pelo menos dentro de quadra, um dos primeiros passos já haviam sido concretizados através de Texas Western.

Dentro de quadra, os Miners do técnico Don Haskins foram muito bem defensivamente, limitando os Wildcats – um dos melhores times dos EUA na época – a apenas 65 pontos. Por outro lado, vale dizer que a força no garrafão da equipe fez a diferença e a manteve na liderança do placar por metade do último período. Individualmente, os destaques da partida foram Bobby Joe Hill (20 pontos, três rebotes e três assistências) e David Lattin (16 pontos e nove rebotes).

08. 2008: Kansas Jayhawks 75, Memphis Tigers 68 (OT)

A decisão do Final Four de 2008 foi de tirar o fôlego e levou a glória novamente a Kansas após 20 anos de seca da universidade! Os Jayhawks perdiam por nove pontos e restavam apenas 2:12 para o término da partida. Em meios a erros do adversário, arremessos certeiros e muita emoção, a partida terminou empatada e só conheceu seu campeão na prorrogação.

Quem foi a San Antonio, viu que a reação dos Jayhawks contou com a ajuda de quatro lances livres errados de Memphis (em cinco tentados). O mais surpreendente é que tais erros vieram dos dois melhores jogadores de Memphis na temporada: Derrick Rose e Chris Douglas-Roberts. O “marco final” do tempo regulamentar foi o arremesso de três pontos convertido por Mario Chalmers com pouco mais de dois segundos para o fim do jogo, que igualou o marcador em 63 tentos e levou o duelo para o overtime. Na prorrogação, os Tigers se mostraram abalados e não tiveram forças para uma nova reviravolta. Kansas, se aproveitando disso, teve 12-5 de vantagem  no tempo extra e garantiu o terceiro título de sua história.

chalmers

07. 1982: North Carolina Tar Heels 63, Georgetown Hoyas 62

A temporada 1981-82 teve seu vencedor conhecido em um dos jogos mais emocionantes da história da NCAA. Jogo que, além de toda emoção, colocou frente a frente duas das melhores universidades do país naquele momento e foi marcado por excelentes jogadores.

Desde o primeiro tempo, nenhuma das duas equipes conseguia abrir uma grande vantagem no placar. Era James Worthy (28 pontos e quatro rebotes) pontuando para North Carolina de um lado e Patrick Ewing (23 pontos, 11 rebotes e uma assistência) para Georgetown do outro. Em meio a tanta igualdade, era preciso que alguém aparecesse no momento decisivo para desequilibrar o confronto. E quem foi esse personagem? Um cara super desconhecido chamado Michael Jordan! Com 15 segundos para o fim do jogo, e perdendo por 62-61, Jordan converteu um arremesso belo e derradeiro, o qual garantiu um título nacional para North Carolina após 25 anos.

jordan82

06. 1979: Michigan State Spartans 75, Indiana State Sycamores 64

15.410 pessoas estavam no Special Events Center, em Salt Lake City, para acompanhar a final do basquete da NCAA em 1979. Não, esta não foi uma partida decidida apenas nos últimos segundos com uma cesta espetacular. Mesmo assim, não fica para trás quanto à sua grandeza para o esporte. Pelo contrário.

johnsonbirdDe um lado Magic Johnson, do outro Larry Bird. Em uma perspectiva, Indiana State, que vinha invicta em toda a temporada. Na outra, a “discreta” universidade de Michigan State. Resultado: uma das maiores partidas da história do basquetebol, que gerou os maiores ratings de televisão da história do basquete americano.

No jogo, Bird (19 pontos, 13 rebotes e duas assistências) não foi tão bem, errando 14 dos 21 arremessos de quadra que tentou. Isso colocou Michigan State na liderança e controle da partida por todo tempo e, com os 24 pontos de Johnson, a universidade sagrou-se campeã nacional. Foi a primeira queda de um invicto na temporada de 1979; queda essa que marcou, além de uma excelente partida, o início de uma das maiores rivalidades entre jogadores da história do basquete.

05. 1987: Indiana Hoosiers 74, Syracuse Orangemen 73

Cinco anos após a cesta milagrosa de Michael Jordan (citada acima), o fãs de basquete, em tom notálgico, viram Indiana derrotar Syracuse de maneira espetacular. Novamente em uma batalha acirrada, os Hoosiers, liderados por Keith Smart Steve Alford, bateram de frente com os Orangemen, dos bons Sherman Douglas e Derrick Coleman.

Você deve estar se perguntando “o que a cesta de Jordan tem a ver com o desenrolar do jogo entre Indiana e Syracuse?” e a gente explica: Smart, estava on fire ao fazer 12 dos últimos 15 pontos de Indiana na partida e acertou, a cinco segundos do fim do confronto, um grande arremesso da parte esquerda do garrafão (tal qual Jordan) para finalizar o duelo.

04. 1963: Loyola-Chicago Ramblers 60, Cincinnati Bearcats 58 (OT)

Quando a ideologia dentro de quadra era bem diferente da atual, os Ramblers enfrentaram os Bearcats, e o encontro marcou a história do esporte. Aquela foi a primeira vez em que jogadores afro-americanos (em comparação aos brancos) estiveram em maioria em uma final nacional do basquete universitário: foram quatro jogadores no lado de Loyola e três no de Cincinanti.

Com algumas regras modernas ainda não estabelecidas, a universidade de Loyola, liderada por Jerry Harkness, entrou para a história ao derrotar o time de Cincinnati de uma forma eletrizante: foi um dos poucos arremessos certeiros no estouro do cronômetro da história das finais da NCAA. No overtime, Vic Rouse aproveitou um arremesso errado de Les Hunter, desempatou o duelo e marcou a primeira conquista da história dos Ramblers.

03. 1957: North Carolina Tar Heels 54, Kansas Jayhawks 53 (3OT)

Para muitos, a maior vitória em finais da NCAA de todos os tempos! Um jogo emocionante do começo ao fim que teve TRÊS prorrogações. Isso mesmo: após terminarem empatadas em 46, North Carolina e Kansas só desempataram o confronto após muito tempo.

O destaque dos Jayhawks foi Wilt Charmberlain, com 23 pontos e 14 rebotes. Pelo lado dos Tar Heels, o cestinha foi Lennie Rosenbluth (20 pontos), mas quem decidiu foi o pivô Joe Quigg, que acertou dois lances livres (para empater e desempatar o confronto) a seis segundos do fim. Detalhe: o jogo foi em Kansas City, praticamente no quintal de Chamberlain e companhia, e apenas dois dias depois do jogo que citamos como o melhor da história do Final Four no outro Top 10 que fizemos, o qual UNC venceu também em três prorrogações.

kansasunc

02. 1983: NC State Wolfpack 54, Houston Cougars 52

Se alguém lhe dissesse que um time pouquíssimo badalado que perdera dez jogos na temporada regular e havia vencido quatro de seus seis jogos na fase mata-mata por uma diferença de dois ou menos pontos fosse jogar em uma final contra uma outra equipe recheada de grandes jogadores, ranqueada no topo do país e que havia destruído praticamente todos os adversários que tentaram derrotá-lo, o que você pensaria? Sim, muitos também pensariam que a equipe favorita terminaria o jogo como campeã. Contudo, na finalíssima da temporada 1982-83, não foi isso que aconteceu!

NC State surpreendeu a todos e derrotou Houston de forma incrível. É importante lembrar que os Cougars tinham em seu elenco dois jogadores que hoje estão no Hall da Fama: Akeem Olajuwon e Clyde Dexter. Porém, nada disso pesou na final, e a enterrada de Lorenzo Charles no estouro do cronômetro deu o título ao técnico Jim Valvano, o segundo da história do Wolfpack.

01. 1985: Villanova Wildcats 66, Georgetown Hoyas 64

Gosta de surpresas? Se sim, já deve ter ouvido falar da surpreendente vitória de Villanova sobre Georgetown, um dos maiores upsets da história da NCAA. Os Hoyas eram seed #1, haviam vencido 35 dos 38 jogos disputados anteriormente, eram os atuais campeões e tinham uma grande estrela em Patrick Ewing. Os Wildcats, por sua vez, era apenas um seed #8 no Torneio, tendo alcançado 25 triunfos durante a temporada regular.

As duas equipes eram (e ainda são) da mesma conferência e haviam se enfrentado duas vezes durante a temporada regular, com os Hoyas saindo vencedores das duas partidas (52-50 na Filadélfia e 57-50 em Washington). Na Rupp Arena, entretanto, o resultado foi diferente.

A pergunta que vem à mente é: o que Villanova fez para vencer a partida? O time do lendário técnico Rollie Massimino fez um jogo praticamente perfeito, exatamente como precisava. A universidade saiu de quadra com 78,6% de aproveitamento (22 de 28) e venceu o primeiro (e até aqui único) título nacional de sua história.

Upset: check. Rivalidade: check. Consagração de um programa: check. Por estes e outros fatores, consideramos esta a melhor final da história do basquete universitário.

nova0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também